"Quem caminha em direção a si mesmo corre o risco do encontro consigo mesmo. O espelho não lisonjeia, mostrando fielmente o que quer que nele se olhe; ou seja, aquela face que nunca mostramos ao mundo, porque a encobrimos com a persona, a máscara do ator. Mas o espelho está por detrás da máscara e mostra a face verdadeira." (Carl Gustav Jung)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Fractal




Os meus pedaços são rareados
como flores no deserto.

Espalhados, eles estão,
frisados, 
por aí, 
por aqui, 
acolá...

São fragmentos de uma vida, 
fragmentada, 
fragmentária.

São cacos 
de um espelho quebrado,
alquebrado, 
os quais narcisicamente evito.

Frago e flagro 
movimentos no mundo, 
fugidios, 
furtivos, 
cacofônicos e sinestésicos, 
claustrofóbicos e surdos, 
às vezes perfumados, 
outras com mau cheiro. 

Minhas lágrimas e gotas de suor, 
secas como a areia do deserto, 
estão pungidas no chão, 
petrificadas no ar, 
vaporizadas no céu. 
São as chuvas de meu corpo, 
são matérias vertentes 
que vertem e fertilizam 
minhas dores, dores, 
vastas dores... 

Se em pranto entro, 
fecundo as terras do papel 
e um poema brota. 
O pranto planta um poema 
e se suplanta, 
momentaneamente, 
minha melancolia sem fim, 
meio ou início...

Nenhum comentário: