"Quem caminha em direção a si mesmo corre o risco do encontro consigo mesmo. O espelho não lisonjeia, mostrando fielmente o que quer que nele se olhe; ou seja, aquela face que nunca mostramos ao mundo, porque a encobrimos com a persona, a máscara do ator. Mas o espelho está por detrás da máscara e mostra a face verdadeira." (Carl Gustav Jung)

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Fábula do cotidiano

Quem é aquele homem sentado a esperar o bonde?
É alguém não se sabe de onde.
Seu destino é um país distante.
As feições do homem apresentam um aspecto dissonante.
Os olhos são pequenos, a boca é igualmente diminuta e o nariz é grande.
Um homem como esse não pode pertencer a nosso mundo belamente fascinante.
Aproximo-me dele de maneira vacilante.
Ao conversarmos, ele mostra-se inteligente e brilhante.
Arrependo-me prontamente de meu pensamento meramente discriminante.
Pergunto o nome do homem: "É Modesto.", ele responde.
"Muito prazer em conhecê-lo. Chamo-me Rompante."
E eis que chega o bonde sonoramente irradiante.
Despeço-me de Modesto e sigo meu caminho, agora revigorante.

Nenhum comentário: