"Quem caminha em direção a si mesmo corre o risco do encontro consigo mesmo. O espelho não lisonjeia, mostrando fielmente o que quer que nele se olhe; ou seja, aquela face que nunca mostramos ao mundo, porque a encobrimos com a persona, a máscara do ator. Mas o espelho está por detrás da máscara e mostra a face verdadeira." (Carl Gustav Jung)

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Trono manchado de sangue


Enquanto suas deleitosas carnes esbranquiçadas diziam-me para prosseguir em minha exploração,
seus olhos azuis como o mar negavam-me tal prazer divino e profano.
Queria invadir suas coxas quentes,
porém não me era possível ir além dos flertes.
Queria explorar suas formas ligeiramente roliças e róseas,
todavia tal ato não me era permitido.

E tu eras curvilínea como um instrumento de corda.
Possuías cabeleiras ruivas como o fogo do inferno donde habitava o pecado.
Meu ser lascivo, luxurioso, buscava alimentar-lhe com meus atos meramente libidinosos.

Se tu não apenas habitastes meus sonhos obliquamente pesarosos
e não fosse eu um roedor covarde,
tudo seria diferente e far-lhe-ia eu a corte.
Como usualmente, mais balbucio mentalmente e desperdiço neurônios
do que tomo uma atitude realmente.

Nenhum comentário: