"Quem caminha em direção a si mesmo corre o risco do encontro consigo mesmo. O espelho não lisonjeia, mostrando fielmente o que quer que nele se olhe; ou seja, aquela face que nunca mostramos ao mundo, porque a encobrimos com a persona, a máscara do ator. Mas o espelho está por detrás da máscara e mostra a face verdadeira." (Carl Gustav Jung)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

O homem 3

O homem andava. O homem apresentava suas poesias ao mundo. O homem perseguia a fundo a canção de evasão do bisonho risonho estranho vilão. O homem é um herói ou o homem é um anti-herói? O homem é um ser cínico ou o homem é um ser mítico? Na verdade ele era só um pobre poeta sentimental, um pobre rapaz latino-americano sem dinheiro no banco, um ser imortal.

O homem não era um enfant terrible, mas sabia que as crianças brincam como homens e os homens brincam como crianças.

O homem descobriu que não era perseguido, mas era realizado com o pouco que tinha. O homem não procurava mais que isso, aquilo não era seu objetivo. O homem, apesar de tudo e de não aparentar, era feliz, e a força motriz de sua alegria não era a meretriz da maestria de sua estremecida vida na morte.

Ces't la vie.

3 comentários:

Tathiane disse...

Nossa...

Jefferson Assunção disse...

Nossa o que? kkkkkkk

Nossa, q bosta de cronica ou nossa, q genial? huahauhau

Tathiane disse...

Nossa... ficou muito interessante, consegui ver algumas coisas que não tinha reparando antes...